domingo, 30 de janeiro de 2011

PAIXÃO PELO QUE FAZ.

Cada vez mais tenho acreditado que pessoas apaixonadas pelo que fazem são o grande ponto de desequilíbrio para o sucesso das organizações.

Penso muito sobre isso e estou continuamente me perguntado se estou certo ou não acerca dessa crença na força da paixão como principal fator de sucesso nas organizações.

Talvez nem eu nem você nunca tenha certeza porque este assunto é complexo e depende de uma série de fatores que envolvem não só o universo profissional, a época que vivemos, o ambiente empresarial, o grau de competitividade do setor, a cultura do lugar, mas, essencialmente porque envolve pessoas por trás dos crachás. Pessoas por trás dos profissionais. E esta acaba sendo uma variável incontrolável: pessoas.

Por força da profissão, leio tudo o que consigo descobrir sobre novas técnicas de gestão, sobre a busca da excelência através de novas tecnologias, sobre a busca de métodos e ferramentas de inovação para as empresas. Mas também por força da área que atuo, convivo com muitos profissionais na minha empresa e nos meus clientes, em palestras e seminários em diferentes setores e continuo acreditando que seres humanos apaixonados pelo que fazem continuam sendo imbatíveis como fator de sucesso para as organizações. Você não acredita? Eu acredito muito nisso.

Acredito mais. Acredito que um grupo apaixonado é capaz de levar “no braço” organizações inteiras, mesmo que desprovidas de modernos métodos e ferramentas de gestão. Acredito que gente que ama o que faz produz muito mais que a media. Acredito que gente que é apaixonada pelo que faz produz não só mais, mas produz também com melhor qualidade. Entrega mais. Gera mais valor para as organizações e para eles mesmos.

Como acredito também que gente apaixonada pelo que faz, reunida numa organização, é capaz de encontrar o rumo certo mesmo onde aparentemente ninguém sabe ao certo se as coisas terão um rumo. Gente apaixonada encontra mais cedo ou mais tarde um rumo e acerta as coisas.

Mas a maior diferença, acredito eu, venha da enorme capacidade que os apaixonados pelo que fazem têm de acreditar que o que realizam diariamente – não importando o quê ou o tamanho da tarefa – DÁ SENTIDO ÀS SUAS VIDAS. E desse sentido de realização, desse “encaixe”, vem o brilho nos olhos, vem a energia, vem a resiliência, vem o inconformismo e a vontade em transformar.

Como desse sentido de realização vem a vontade constante de superação, vem a busca de aprender mais, de se mobilizar e de buscar mais e de fazer um pouquinho mais. Vem a vontade de fazer diferença. E desta última, a fonte de mais paixão que transforma lugares, organizações e outras pessoas à volta.

Assim, acredito que gente que ama o que faz, ama, porque encontrou este sentido maior – este sentido de construção de legado. Esse sentido que transforma trabalho em missão, que transforma emprego em realização, que transforma empreendimentos em ideais.

Por isso, creio que a transformação das organizações não está no esforço da motivação coletiva, no esforço de fazer todos “vestirem a camiseta da empresa”, mas no esforço de tentar fazer com que cada um encontre o seu próprio sentido, a sua “própria camisa para vestir”. Ou seja, o esforço deve ser o de fazer com que cada um busque o seu encaixe perfeito, o seu “sentido maior”. Que cada um descubra qual é a sua paixão.

Meu conselho: mantenha e alimente a chama da paixão dos apaixonados e ajude os sem paixão a encontrarem a sua. Seja lá onde ela estiver. Mesmo que isso seja fora da sua empresa.

sábado, 29 de janeiro de 2011

OBRIGADO.

Durante todo o ano de 2010, recebi e continuo recebendo centenas de mensagens de diferentes partes do Brasil com comentários, agradecimentos, pedidos de ajuda e conselhos sobre suas carreiras e momentos profissionais a partir da leitura do livro Personal Branding.

Eu agradeço a todos os leitores pelos contatos feitos, pelas palavras generosas e pelo incentivo. Acredite que não existe melhor recompensa para um escritor do que ver o retorno de seus leitores, a aplicação prática das nossas teorias e o relato do impacto que a obra teve em suas vidas e os resultados obtidos. Confesso que fico extremamente honrado e aproveito a oportunidade para dizer o meu MUITO OBRIGADO a cada um de vocês.

Da mesma forma que aproveito para pedir desculpas a todos aqueles que não pude responder no momento. Na medida do possível, prometo que tentarei, mesmo que com atraso, responder a todos que fizeram contato. Dessa forma peço desculpas e compreensão, pelo volume de contatos e pela minha incapacidade de conciliar o tempo de responder a todos com a minha agenda profissional.

Agradeço a todos e compartilho abaixo o quadro de desempenho do livro Personal Branding em 2010, que pelo segundo ano consecutivo é listado entre os 10 livros de marketing e administração mais vendidos do ano.

Desejo que a mensagem do livro possa impactar muito mais gente e que em 2011, muitos mais profissionais possam parar um pouquinho para refletir sobre suas carreiras, seu legado de marca pessoal e seu futuro profissional. Muito obrigado.

PERSONAL BRANDING ENTRE OS 10 LIVROS MAIS VENDIDOS DE MARKETING NO BRASIL EM 2010

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

CONTRATAÇÃO DE PALESTRAS DE ARTHUR BENDER

Nenhuma empresa de palestrantes ou de eventos, empresário ou agente está autorizado a intermediar a contratação da palestras realizadas por Arthur Bender. O contato deve ser feito diretamente com nossa empresa: Key Jump - Inteligência, Estratégia e Branding pelos fones (51) 3273 2002 / (51) 3073 2222 - ou pelo e-mail: marcia@sellinghub.com.br. Através da Key Jump você pode receber propostas e maiores detalhes sobre a abordagem, conteúdo e formatos especiais para empresas.