domingo, 30 de janeiro de 2011

PAIXÃO PELO QUE FAZ.

Cada vez mais tenho acreditado que pessoas apaixonadas pelo que fazem são o grande ponto de desequilíbrio para o sucesso das organizações.

Penso muito sobre isso e estou continuamente me perguntado se estou certo ou não acerca dessa crença na força da paixão como principal fator de sucesso nas organizações.

Talvez nem eu nem você nunca tenha certeza porque este assunto é complexo e depende de uma série de fatores que envolvem não só o universo profissional, a época que vivemos, o ambiente empresarial, o grau de competitividade do setor, a cultura do lugar, mas, essencialmente porque envolve pessoas por trás dos crachás. Pessoas por trás dos profissionais. E esta acaba sendo uma variável incontrolável: pessoas.

Por força da profissão, leio tudo o que consigo descobrir sobre novas técnicas de gestão, sobre a busca da excelência através de novas tecnologias, sobre a busca de métodos e ferramentas de inovação para as empresas. Mas também por força da área que atuo, convivo com muitos profissionais na minha empresa e nos meus clientes, em palestras e seminários em diferentes setores e continuo acreditando que seres humanos apaixonados pelo que fazem continuam sendo imbatíveis como fator de sucesso para as organizações. Você não acredita? Eu acredito muito nisso.

Acredito mais. Acredito que um grupo apaixonado é capaz de levar “no braço” organizações inteiras, mesmo que desprovidas de modernos métodos e ferramentas de gestão. Acredito que gente que ama o que faz produz muito mais que a media. Acredito que gente que é apaixonada pelo que faz produz não só mais, mas produz também com melhor qualidade. Entrega mais. Gera mais valor para as organizações e para eles mesmos.

Como acredito também que gente apaixonada pelo que faz, reunida numa organização, é capaz de encontrar o rumo certo mesmo onde aparentemente ninguém sabe ao certo se as coisas terão um rumo. Gente apaixonada encontra mais cedo ou mais tarde um rumo e acerta as coisas.

Mas a maior diferença, acredito eu, venha da enorme capacidade que os apaixonados pelo que fazem têm de acreditar que o que realizam diariamente – não importando o quê ou o tamanho da tarefa – DÁ SENTIDO ÀS SUAS VIDAS. E desse sentido de realização, desse “encaixe”, vem o brilho nos olhos, vem a energia, vem a resiliência, vem o inconformismo e a vontade em transformar.

Como desse sentido de realização vem a vontade constante de superação, vem a busca de aprender mais, de se mobilizar e de buscar mais e de fazer um pouquinho mais. Vem a vontade de fazer diferença. E desta última, a fonte de mais paixão que transforma lugares, organizações e outras pessoas à volta.

Assim, acredito que gente que ama o que faz, ama, porque encontrou este sentido maior – este sentido de construção de legado. Esse sentido que transforma trabalho em missão, que transforma emprego em realização, que transforma empreendimentos em ideais.

Por isso, creio que a transformação das organizações não está no esforço da motivação coletiva, no esforço de fazer todos “vestirem a camiseta da empresa”, mas no esforço de tentar fazer com que cada um encontre o seu próprio sentido, a sua “própria camisa para vestir”. Ou seja, o esforço deve ser o de fazer com que cada um busque o seu encaixe perfeito, o seu “sentido maior”. Que cada um descubra qual é a sua paixão.

Meu conselho: mantenha e alimente a chama da paixão dos apaixonados e ajude os sem paixão a encontrarem a sua. Seja lá onde ela estiver. Mesmo que isso seja fora da sua empresa.

9 comentários:

Jaque disse...

Oi, Arthur! Terminei de ler o seu livro há uma hora atrás. Fiz várias anotações e terminei, como você menciona, cheia de alternativas e com um caminho a seguir. Parabéns e obrigada pelas preciosas dicas!

Alexandre C. Alves disse...

Show de bola!!! Concordo muito!

A paixão que nos leva ao sucesso!!! Mesmo quando estamos apaixonados por uma pessoa: fazemos tudo por ela. Na profissão não é diferente! Mas na profissão, essa paixão pode durar eternamente...

Jaque disse...

Arthur, dia 30/01, eu lhe escrevi porque tinha acabado de ler o seu livro. Hoje, escrevo porque quero parabenizar-te pela excelente palestra de 4 horas que tive o prazer de assistir (11/02 - Caxias do Sul). A palestra complementa o livro e, o que é fantástico, é única (e não um repeteco, o que eu tinha receio).
Como crítica construtiva: o slide que tem uma mão e vários eletrônicos (evolução), tem uma palavra digitada de forma incorreta.
Um abraço, Jaqueline (Supervisora Pedagógica do São Carlos)
jjbampi@terra.com.br

Lu Gastal disse...

Oi Bender! que bom que tens postado novidades por aqui de novo! sei que teu tempo deve ser curtíssimo, mas tem muita gente sedenta por informações bacanas!
abraço Luciana Gastal

Rafa Schuler disse...

Oi Arthur!

É isso mesmo, trabalho com música e tudo realmente se efetiva quando estão todos alinhados.
Parabéns pelo Talk Show na ADVB, foi muito esclarecedor, principalmente depois de ler o seu livro.
Forte abraço.

Rafa Schuler

Anônimo disse...

Acabei de ler seu livro. Em primeiro lugar, parabéns!Ótima leitura: assuntos tratados de forma lógica e leve. Essencial para àqueles que como eu são apaixonados por Administração e Marketing.
Nas horas vagas mantenho um blog sobre samba, dê uma olhada
http://www.aquelesamba.blogspot.com

Como Ganhar Dinheiro na Internet disse...

Muito bom o livro!
Recomendo a leitura!

Tati Cardoso disse...

Oi Arthur!
O amor implica dedicação, em todas as instâncias da vida (relacionamentos, trabalho, amizades, tudo!). Esta dedicação é o combustível para que o olho brilhe e a vontade de que dê certo persevere.

Parabéns pelo blog, achei o texto sensacional.

Abraço!

Carolina Freitas disse...

O gostoso é que parece um desabafo: ler e sentir a empatia saltar.